Uma homenagem ao dia mundial da água

Em homenagem ao dia Mundial da Água, criado pela ONU em 22 de março de 1992, gostaríamos de publicar alguns produtos de iluminação que tiveram como inspiração a ÁGUA!

Light Drop – by Studio Mango, produzida por Wever e Ducré

Aqua Cil – by Ross Lovegrove, produzida por Artemide

Droplet – by Ross Lovegrove, produzida por Artemide

Long & Hard – by Philippe Starck, produzida por Flos

Sebastian 7 Drop Lights – by John Lewis

Buy John Lewis Sebastian 7 Light Drop Ceiling Light Online at johnlewis.com

Liquid Light Drop – by Next

Anúncios

Quando a luz é um divisor

2014, Novembro. No dia 09 do mês de novembro, neste ano, serão comemorados os 25 anos desde que Berlim voltou a ser uma só cidade.

A queda do muro, que inspirou a música de Pink Floyd e que sobretudo rendeu imagens belíssimas reportando a liberdade de uma população inteira ao ter o seu direito de ir e vir devolvido, famílias que se reencontraram depois de décadas, foi um dos maiores símbolos perpetuados no século XX da vitória da democracia.

Passados estes 25 anos, Berlim se reconstruiu sem esquecer da sua História, por ela e para que o significado da queda do muro seja sempre relembrado, entre os dias 7 e 9 de novembro, o muro retornará. Retornará de uma maneira um tanto inusitada e muito interessante: será recriado o traçado do muro através do elemento chave do nosso blog, a LUZ.

LICHTGRENZE

No total, serão mais de 8.000 balões luminosos, inflados com gás hélio, dispostos ao longo de 15km, dividindo novamente a Berlim em oriental e ocidental. Nos trechos onde ainda existem partes do muro histórico, serão compartilhadas ainda 100 histórias reais que tiveram o muro como personagem principal. E, ao fim da tarde do dia 09, milhares de moradores irão até o seu respectivo balão, colocarão a sua mensagem nele e depois o lançarão ao ar ao som da 9º Sinfonia de Beethoven “Ode an die Freunde”.

As 100 histórias e as mensagens dos moradores estão no site https://fallofthewall25.com/ e quem quiser contribuir e fazer parte deste evento pode também deixar a sua mensagem lá. Valem memórias, opiniões, desejos e reflexões sobre o significado da Queda do Muro de Berlim.

Os idealizadores do “muro de luz” Christopher e Marc Bauder entre as estruturas. Delas sairá a luz que iluminará os balões presos na parte superior. Foto de Frank Ebert

WHITEvoid

O escritório de design de Berlim está ajudando a tornar real a ideia dos irmãos Bauder, com o apoio da Robert-Havemann-Gesellschaft e Kulturprojekte Berlin GmbH. O designer Christopher Bauder, designer, resolveu unir o seu conhecimento em instalações cinéticas de LED com a experiência do seu irmão, Marc, cineasta. Os balões, de 60 polegadas de diâmetro, ficarão fixados nas estruturas de 3,40m de altura, correspondendo mais ou menos à altura original do muro.

Para o funcionamento da iluminação de LED nas estruturas dos balões, serão utilizadas mais de 60.000 baterias. E após o lançamento deles no céu, a borracha biodegradável que estão sendo fabricados (material desenvolvido em parceria com a Universidade de Hannover), além do gás hélio, irão se decompor naturalmente pelos fatores ambientais: sol, oxigênio ou bactérias.

Além de ser uma ideia brilhante, toda a engenharia pensada para não comprometer o meio ambiente demonstra o quanto a Alemanha se evoluiu após a Queda do Muro. Um exemplo a ser seguido por todas as nações: recordar da sua História, manter a identidade do seu povo e procurar um futuro melhor para todos.

Na página do facebook você pode acompanhar os preparativos e matérias feitas a respeito:

https://www.facebook.com/lichtgrenze

E a estrela da vez: Versalhes

Parece proposital falarmos de construções históricas e tecnologia moderna sequencialmente, mas foi a casualidade dos fatos e a contemporaneidade das publicações mundiais que apontaram primeiro à Capela Sistina, e agora o Palácio de Versalhes.

Pois bem, enfatizando a série se já conhece, você terá que ir de novo, o Palácio de Versalhes ganhou a instalação de um lustre moderno – o Chandelier Gabriel.

Image

© Studio Bouroullec

A primeira peça contemporânea a ser instalada em caráter permanente no Palácio de Versalhes é obra de Ronan & Erwan Bouroullec.

A luminária, que à distância pode lembrar uma simples corda luminosa, é o fruto de materiais nobres e alta tecnologia. Com mais de 12 metros de altura e peso de quase meia tonelada é composto por 800 módulos de cristal Swarovski. Estas peças são penduradas através de um eixo flexível metálico contendo o sistema de LED.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Fonte:

Contemporist 

Capela Sistina: o que está por vir em 2014

A fabricante de lâmpadas, luminárias e acessórios Osram está providenciando a iluminação da Capela Sistina no Vaticano com uma nova solução em LED. Depois de 500 anos, a grande obra de arte poderá ser vista em um nível de detalhamento inédito, e a instalação especial para conservar a obra-prima dará maiores níveis de iluminância. Além disto, o sistema terá uma redução de 60% no consumo energético comparado ao sistema de iluminação atual.

A arte exige a melhor e mais eficiente iluminação. Seguindo a iluminação especial realizada para o Museu Lenbachhaus  em Munique, os famosíssimos afrescos da Sistina agora ganharão a mesma luz, contando sempre com a autoridade da Osram para integrar a experiência de acordo com as especificações.

Ao longo do próximo ano, cerca de 7000 LEDs serão distribuídos de forma a iluminar uniformemente a Capela Sistina de modo a mostrar a totalidade dos detalhes das pinturas. O espectro de cor foi feito especialmente, baseado cientificamente para reproduzir com alta precisão os pigmentos coloridos da obra de Michelangelo.

As luminárias serão instaladas de forma invisível aos olhos dos visitantes, entre as janelas para que a luz artificial tenha a mesma direção da luz natural. Até hoje, os afrescos da Capela Sistina eram pouco visíveis pois dependiam da intensidade luminosa da luz solar.

O quesito de conservação e a proteção do trabalho de arte nortearam o conceito do projeto, e a nova solução em LED encontrada é significantemente mais eficiente do que qualquer outro tipo de iluminação artificial. A iluminância de aproximadamente 50 a 100 lx representam 10x mais luz do que o sistema atual, e portanto, todos os aspectos dos afrescos poderão ser claramente visíveis com o menor processo de desgaste possível.

Além disto, a qualidade da iluminação e a redução considerável de 60% no sistema de iluminação são outros aspectos fundamentais do projeto.

O projeto-piloto, nomeado LED4Art é subsidiado pelo PSP-CIP, que pretende demonstrar as novas possibilidades de tecnologia para o LED, além do seu consumo menor em relação às outras tecnologias e maior qualidade de luz para abrir as portas do mercado a esta tecnologia. Além da organização europeia e da Osram, a Universidade de Pannonia da Hungria, o Instituto de Pesquisa em Energia da Catalunha da Espanha e a Faber Technica da Itália estão participando deste projeto.

 

ImagemImagemImagem

 

 Fonte: Osram – Copyright

 

Em Nova Iorque, de 21 junho a 25 setembro 2013

Guggenheim Museum

O título já deixa bem claro onde e quando vocês poderão presenciar uma situação única. O local é o renomado Museu Guggenheim de Frank Lloyd Wright. Mas preste atenção, se você já esteve pelo Museu vale retornar. Com certeza, ESTE Museu que estou falando você nunca viu. E é por tempo limitado:

Com uma das maiores instalações em curso, o artista americano James Turrell transformou  totalmente o icônico Guggenheim. A clássica espiral ganha força e repetição.

Aten Reign, 2013 / James Turrell; Photo: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, New York

Aten Reign, 2013 / James Turrell; Photo: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, New York

Mesclando a iluminação natural e artificial, Aten Reign, James Turell coloca uma cor no espaço, imitando as famosas rampas. A luz ganha materialidade, ponto forte de Turrell nos seus vários trabalhos, apresentando uma experiência dinâmica de percepção do espaço.

“A luz é um elemento poderoso” diz Turrell. “Nós temos uma conexão primordial com ela. Mas, para algo tão poderoso, situações para sentí-la presente são muito raras… Eu gostaria de trabalhar com ela de uma forma que todos possam sentí-la fisicamente, tocável, de modo a preencher o espaço.”

A mostra, que ficará durante todo o verão instalada no museu, faz parte de um projeto que coloca em 3 museus obras fenomenais de James Turrell. Solomon R. Guggenheim Museum, LACMA (Los Angeles County Museum of Art) e MFAH (Museum of Fine Arts Houston).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Claro que não são somente estas as instalações correntes do artista. No site dele você pode conferir em que partes do mundo existe a possibilidade de vivenciar uma experiência totalmente nova.

Para ver e sentir a luz de uma forma artística e transformadora, vale a pena!

Aten Reign_James Turrell_11 Aten Reign_James Turrell_10 Aten Reign_James Turrell_9 Aten Reign_James Turrell_3

Aten Reign, 2013 / James Turrell; Photo: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, New York

Aten Reign, 2013 / James Turrell; Photo: David Heald © Solomon R. Guggenheim Foundation, New York

Esse tal de kelvin

Recomeçando a trabalhar no Brasil, me deparei com um problema (por enquanto posso dizer que existente no RS) na hora de comprar uma lâmpada: a falta de opção na cor da luz.

Pois bem, para não tornar o assunto maçante, a luz tem diversas propriedades e características. As mais famosas são potência e voltagem. Além dessas existe a COR que ela emite. Que fique bem claro que não estou envolvendo outros parâmetros como eficiência energética, quantidade de luz ou reprodução das cores.

Nesse post falarei simplesmente do tom de cor emitido pela fonte luminosa. A cor que vemos sair da lâmpada.

Todo mundo na vida falou ao menos uma vez: essa luz é muito “fria”ou então essa luz é muito “amarela”, não?

Acontece que mesmo sendo fria ou amarela, a lâmpada é de cor branca, e não estou falando de aquecimento. Como na hora de pintar as paredes de sua casa, quando mesmo sendo branca a cor que você quer, você vai ter que decidir se vai querer um branco puro, um branco acinzentado, um branco mais amarelo (areia, perola, etc), na hora de iluminar a sua casa você vai poder escolher a COR da lâmpada.

Para distinguir os tons, no caso da iluminação, existe uma unidade de medida: graus Kelvin.

Mas quem é esse Kelvin?

Com a invenção da luz artificial e posteriormente a elétrica, os estudiosos da área se deram conta que materiais diferentes na composição da lâmpada (filamento, gás, etc) emitiam cores diferentes de luz. Dali partiu a necessidade de entender e medir essa alteração.

O físico e engenheiro irlandês William Thomson, a partir de um bloco de carbono, também conhecido como corpo negro porque ele absorve toda a luz que incide nele, fez uma escala das cores que esse material emite quando aquecido – da temperatura mínima, estabelecida como o zero absoluto 0K = -273.15ºC em diante, já que ficou comprovado que não existe uma temperatura máxima. Assim como você pode reparar no fogão de casa, o fogo mais quente é azulado, tendendo à transparência. Um corpo mediamente aquecido fica avermelhado, indo para o amarelo e chegando no tom azul quando aquecido ao máximo. Depois que a Irlanda fez parte do Reino Unido, Thomson passou a ser o primeiro Lorde Kelvin.

William Thomson

Mas como essa teoria foi aplicada para a iluminação?

A temperatura de cor descreve o espectro de luz irradiada de um corpo negro com uma dada temperatura.

O sol, por exemplo, nos dá a impressão de ser uma cor quente, não? TAMBÉM! Só porque ele nos aquece, não quer dizer que a cor da sua luz seja necessariamente quente. Na verdade ao nascer do sol e ao pôr do sol, a luz emitida pelo astro é “quente” sim. E por isso vemos os prédios e tudo o que é iluminado por ele num tom mais amarelado ou avermelhado.

Porém durante o dia, quando o sol está mais alto, a luz que ele emite é muito mais fria. Nós não reparamos nisso ao ar livre pois entram em questão outros fatores de percepção ótica.

Por isso, quando compramos uma lâmpada fluorescente que diz na embalagem LUZ DO DIA ou DAYLIGHT e a ligamos em casa, vemos o quanto ela é azulada de tão branca.

Para termos uma ideia mais clara, vamos aos números:

2500K – 3500K – é a variação de temperatura que se pode encontrar nos vários tipos de lâmpada tungstênio: incandescentes e halógenas.

2700K – é a lâmpada incandescente, ou a luz do sol nos horários próximo ao nascer ou ao por do sol. A luz que vemos é “amarela”. *

3000K – as lâmpadas fluorescentes oferecem essa temperatura de cor: o branco quente. Menos amarela do que a 2700K, ela é a ideal com essa tecnologia para deixar os ambientes mais aconchegantes como a nossa casa.

4000K – branco neutro. Essa temperatura de cor é a mais neutra entre todas. Ao observamos a sua emissão vemos que chega o mais próximo do branco, sem tender para o quente ou para o frio. É como o branco puro nas tintas. E por isso é ideal para ambientes de trabalho. Mais do que 4000, a luz começa aos poucos a tender para o azul.

6500K – ou como pertinentemente as fabricantes chamam: luz do dia. Poderia ser chamada de “luz das 11h” ou então “luz das 14h” (horário de verão). Esse tom é muito mais frio e por isso chega ao tom azulado.

* por sermos acostumados com essa cor de luz nas incandescentes, acabamos instintivamente relacionando a cor ao calor emitido por esse tipo de lâmpada e à menor quantidade de luz emitida por ela (eficiência energética).

Infelizmente, no comércio em geral de lâmpadas fluorescentes compactas com o soquete de rosca (E27) temos à disposição DUAS opções: 2700K ou 6500K. Eu diria que as duas menos utilizadas pelos grandes mercados da América do Norte e da Europa. Deixo a conclusão para o leitor, porém me parece curioso o fato de que as temperaturas ideais para a nossa vida – 3000K e 4000K não chegue facilmente no nosso comércio.

As várias temperaturas de cor também são possíveis com LED. Feira de Frankfurt, Light+Building, este ano.

Nos catálogos das fabricantes, elas disponibilizam todas as temperaturas de cores em produção hoje em dia: 2700, 2900, 3000, 3100, 4000, 5000, 6500K. Ou seja, não é que não existem, é só que se você realmente quiser uma outra temperatura que não seja as standards do mercado brasileiro, você precisa encomendar e saber como instalar pois grande parte requer alimentação.

E daí o consumidor que não entende todas as nuances nas características da iluminação, acaba tendo que se limitar ao mercado normal.

A luz no trabalho. Ergonomia

O post de hoje quer trazer uma “luz” para a importância de uma iluminação adequada no ambiente de trabalho. Para cada atividade que se faça, existem maneiras ‘mais coerentes’ de iluminar. Hoje começo com o exemplo da iluminação no trabalho – considerando uma pessoa que permanece na frente de um computador – por ser aquela em que empregamos mais tempo diariamente, mínimo 8 horas.

Esqueça a idéia de uma só luminária central no escritório, de “luz fria”*.

anos 80: a clássica iluminação com fluorescente linear e nada mais.

Assim como o espaço construído e o design de interiores têm suas respectivas proporções que fazem ser mais ou menos confortáveis ao ser humano, a luz também merece um pouco de atenção. E daí entramos no fator Ergonomia**. O termo foi utilizado pela primeira vez somente em 1857. Definitivamente, a Ergonomia é um assunto moderno. A questão é que sempre foi focada para a produtividade no trabalho tendo como beneficiário maior o sistema.

Agora, vamos esquecer a cadeia de produção e pensar no conforto de quem trabalha.

exemplo de um cálculo luminotécnico, considerando a área de trabalho com luminárias específicas.

Existem normas que sugerem os níveis de iluminação mínimo, médio e máximo que respeitam a acuidade visual exigida por cada atividade, conferidas por um técnico superior de seguranção já que é vista como um risco físico ao trabalhador pelo setor de Higiene e Segurançao do Trabalho. Estima-se uma redução de 30 a 60% na ocorrência de erros de trabalho, além de diminuição do cansaço visual, que muitas vezes é o motivador de dores de cabeça, náuseas, dores de pescoço e nos casos mais críticos, insônia.

liga ou desliga: um só ponto para todo o espaço = luz insuficiente e nada ergonômica

Se você reparar, nos últimos anos o mobiliário de escritório tem se aproximado mais em design e material do ambiente residencial.

Assim como a flexibilidade dos móveis, a iluminação ganhou muitas opções.

2 em 1. flexibilidade em uma só luminária: uma lâmpada focada na escrivaninha e a outra nos complementos da sala

O que antes era uma iluminação massificada fornecida por apenas um tipo de luminária, e muitas vezes com um só interruptor para ligar e desligar, começou a ter uma flexibilidade quando, no momento da previsão dos circuitos e comandos elétricos, se começou a separar as filas de luminárias com vários acendimentos. Assim, aquelas que se encontravam próximas às janelas poderiam permanecer desligadas quando a luz solar fazia a sua parte.

Do acendimento separado, como consequência, veio a consciência da economia na conta da energia elétrica no final do mês.

Na década de 90 se intensificou a pesquisa e desenvolvimento nos reatores para oferecer uma maior flexibilidadena iluminação: a lâmpada não precisava mais ter o comando de liga e desliga. Ela poderia ter a sua intensidade controlada.

Mais um tempo depois e esse controle passou a considerar a contribuição da luz natural. Afinal, era burrice colocar cortinas em todas as janelas, desperdiçando uma fonte gratuita de luz (sem dizer que sem comparação em termos de qualidade), porque a iluminação artificial era muito forte.

aproveitar a luz natural é fundamental: claro com a possibilidade de controlar a quantidade de luz que entra no ambiente, através de cortinas.

Uma iluminação eficiente no trabalho é uma iluminação inteligente, que acompanha o nosso ritmo e o passar do tempo – dia e noite. As normas existentes recomendam uma iluminância média no plano de trabalho, ou seja, sobre a escrivaninha, de 500 lux. Nesse momento não entrarei no mérito do valor específico, temos apenas que tomar como parâmetro geral. Como iluminância média em todo o espaço, é recomendável um déficit de 30%, o que resultaria em cerca de 350lux médios. Essa diferença entre as iluminâncias é importante porque aborda a questão do contraste. Assunto já tratado aqui.

Luminária da Artemide, que considera as diferentes nuances da luz branca, acompanhando a mudança da luz solar ao longo do dia.

Eu considero a forma mais inteligente do momento a iluminação combinada: luz geral, responsável pelos 70% finais com sistema de regulação baseado na luz natural, com a integração de uma luminária concentrada para cada escrivaninha – seja de apoio na mesa ou de piso – que forneça os 30% restantes sobre o plano de trabalho. Assim, quem tem menos necessidade de luz pode trabalhar confortavelmente satisfeito com a sua luminária ‘pessoal’, enquanto quem precisa de maior claridade liga a sua.

Além de inteligente, esse sistema é democrático.

iluminação mais do que plural: natural, perimetral e focada na escrivaninha, sempre com estilo.

–  –  –  –  –  –  –  –

* Até hoje existe o pré-conceito de relacionar erroneamente a fluorescente linear com a luz azul. O tom azulado emitido pela lâmpada se dá porque logo no início da sua produção, como já mencionei no post  24h ligado ela tinha maior eficiência energética com a temperatura de cor maior que 4000K. Mas convenhamos, muitas décadas já se passaram e está na hora de cair esse mito.

** Do dicionário se descobre a sua origem: do grego Ergon (trabalho) e Nomos (lei natural), em uma só palavra se resume a disciplina que aborda a avaliação de todos os aspectos humanos. Cientificamente falando, é a compreensão das interações entre as pessoas e outros elementos de um sistema.  Como profissão, é a aplicação da teoria para otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral das interrelações.

–  –  –  –  –  –  –  –

fontes: